Combater Exclusões, Defender Direitos

Uma cidade da cidadania para todos, que combate exclusões, defende direitos, e promove o seu acesso universal

Afirmar direitos, reforçar a cidadania. Que ninguém fique para trás.

O exercício pleno da cidadania requer um equilíbrio difícil entre cumprimento de deveres e afirmação de direitos, o qual se promove e efetiva através de políticas públicas nacionais e locais.

O Plano de Desenvolvimento Social de Lisboa 2017-2020, recentemente aprovado, assume a afirmação dos direitos sociais como mecanismo de reforço da cidadania de cada um e de todos, numa cidade plural, aberta e multicultural, que promove a igualdade, a paridade, a diversidade, a tolerância e os valores democráticos, humanistas e republicanos que constituem a base da nossa vida cívica e coletiva.

A não-discriminação e a solidariedade são pilares de convivência social, numa perspetiva de acolhimento de todos, nacionais e estrangeiros, que permita a convivência multicultural, o multilinguismo, a diversidade étnica e religiosa.

Uma especial atenção continuará a ser dedicada aos cidadãos mais afetados pela crescente desigualdade económica e social, pela exclusão e pela desproteção social, envolvendo nomeadamente, em muitos casos, de modo particular, as crianças e os idosos da nossa cidade. A recuperação económica vivida nos últimos dois anos deve ser aproveitada para uma melhor redistribuição dos recursos por todos, assegurando os mínimos sociais para quem tem muito pouco e garantindo apoios sociais diversos às famílias que vivem em condições de maior vulnerabilidade.

Melhor saúde e qualidade de vida

Compete ao município intervir, para a promoção da saúde e para a adoção de estilos de vida mais saudáveis, em articulação com as autoridades de saúde e com a sociedade civil organizada.

Lisboa aprovou, em 2015, o Perfil Municipal de Saúde, primeiro passo para a concretização de um Plano Municipal de Desenvolvimento da Saúde e Qualidade de Vida, cujo objetivo central é garantir melhor saúde para todos, com a participação de todos. Este documento identificou os fatores que determinam a saúde e a doença da população, incluindo as principais vulnerabilidades.

Há que atuar a nível da prevenção, promovendo mudanças comportamentais e um ambiente urbano que as estimule. Mas é preciso também garantir a todos, em todas as idades, o acesso a cuidados de saúde de qualidade, nomeadamente ao nível dos cuidados primários e continuados, em que Lisboa tem enormes carências.


Disponibiliza informação detalhada e georreferenciada sobre: território, população, famílias, educação, mercado de trabalho, população sem abrigo, prestações sociais, imigração e interculturalidade e habitação.

Consulte o Atlas Social

Organizado segundo seis eixos estratégicos: cidade saudável; crescer com oportunidades; da vulnerabilidade à inclusão; diversidade cultural; envelhecimento ativo; qualidade dos serviços.

Consulte o Diagnóstico Social de Lisboa 2009 | Informação Complementar.

Consulte o Diagnóstico Social de Lisboa 2015-2016.