COVID-19 Medidas e Informações

Fauna Urbana

A fauna selvagem ou silvestre de um local é o conjunto dos animais residentes naturalmente nesse local, que não foram introduzidos pelo Homem e que não estão domesticados.

A detenção destes animais por particulares é proibida por lei, pelo que qualquer animal a necessitar de intervenção deve ser encaminhado para um centro de recuperação de fauna silvestre. Em Lisboa, é o CRAS que recebe os animais silvestres debilitados, doentes, feridos ou provenientes de cativeiro ilegal e promove a sua reabilitação com vista à reintegração no meio natural.
 

Se encontrar um animal ferido ou debilitado

  • Aproxime-se com cuidado, lembre-se que o animal está assustado e pode atacar
  • Cubra-o de forma a privá-lo da visão, com um pano ou toalha
  • Coloque-o dentro de uma caixa de cartão perfurada, com jornal no fundo
  • Até à entrega, mantenha a caixa num local escuro e calmo

Se encontrar um animal saudável

  • Deixe-o no mesmo local
  • Em caso de perigo para o animal (predadores, veículos, etc) encaminhe-o para um local próximo seguro
  • Em caso de perigo para a população, contacte as autoridades

Pombos

Nas cidades, o equilíbrio ecológico é atingido quando o número de aves é inferior a um quinto da população humana residente. Quando este valor aumenta, está em risco o equilíbrio ecológico da espécie e a convivência com a espécie humana.

A câmara desenvolve ações que combinam a prevenção com a correção de situações críticas:

  • criação de uma rede de pombais contracetivos;
  • limitação de locais de nidificação e potenciais focos de insalubridade;
  • ações de sensibilização;
  • intervenção para impedir alimentação indevida de pombos no espaço público;
  • capturas calendarizadas;
  • envio de amostras de pombos capturados para o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, para pesquisa de agentes patogénicos, incluindo vírus da “gripe aviária”.

O pombal contracetivo do Parque Silva Porto é um conceito inovador de controlo da população de pombos. A rede será alargada a todas as freguesias de Lisboa.

Objetivos:

  • promover conforto, segurança e condições para nidificar, através da oferta de alimento, água e sombra, permitindo-lhes voar pela cidade e retornar ao pombal;
  • garantir um lar permanente para construir os seus ninhos;
  • garantir a retirada dos ovos, 2 a 3 dias após a postura, antes da formação do embrião (pombo),prevenindo mais nascimentos;
  • reduzir custos, melhorar o enquadramento paisagístico e a higiene.
    • transmissão de agentes patogénicos existentes nas aves;
    • problemas alérgicos, quer a nível respiratório, quer outros;
    • transmissão de doenças como a Salmonelose, a Criptococose, a Ornitose, especialmente a crianças, idosos e imunodeprimidos.