Corredores verdes

O Plano Diretor Municipal de Lisboa, aprovado em 2012, constitui a base territorial e o macro-programa para a estrutura verde da cidade

De Monsanto ao Oriente, foram criados nove corredores verdes que ligam importantes zonas da cidade, contribuindo não só para a concretização do Plano de Ação Local da Biodiversidade de Lisboa, como também para a mitigação e adaptação climática.

Um corredor verde é uma unidade linear sobreposta a elementos da estrutura ecológica que permite um continuum naturale, promovendo a articulação de património histórico, cultural e paisagístico e contribuindo para melhorar a qualidade ambiental desse território.

Para além da função ecológica, os corredores verdes têm uma importantíssima função social e cultural em contexto urbano ou periurbano. Se, por um lado, permitem a salvaguarda da biodiversidade e dos elementos naturais, por outro ajudam a resolver problemas como a impermeabilização do solo e a poluição atmosférica. Em termos sociais, os corredores verdes são espaços de excelência para a promoção de atividades recreativas e de lazer ao ar livre, ao mesmo tempo que estimulam os modos de deslocação suaves. Contribuem, ainda, para a promoção da educação informal, a conservação do património cultural e a melhoria do património paisagístico.