Bairro do Relógio

Toponímia

O nome do bairro está associado à sua proximidade com a rotunda junto do Aeroporto (Rotunda do Relógio) onde ainda se encontra um relógio.

Origem

O Bairro do Relógio tem origem no realojamento de 750 famílias oriundas do Vale de Alcântara por ocasião da construção da estrutura viária da ponte sobre o Tejo em 1965. Os alojamentos, pré-fabricados, foram construídos pela SOREFAME, sendo uma construção provisória (entre 10 e 12 anos). A última barraca foi demolida 31 anos depois.

Evolução física.

Em 1967 foram construídas 400 novas habitações (alojamentos pré-fabricados) para realojamento de contingentes de moradores oriundos de “bairros de lata”. A descolonização provocou um crescimento do bairro no início da década de 1980. A dificuldade de muitos retornados das antigas colónias em aceder a habitação levou a que o Bairro do Relógio contasse com 1 167 habitações num universo recenseado de 7 342 indivíduos.

Caracterização Social

A zona do Bairro do Relógio foi considerada uma das mais degradadas áreas urbanas da cidade, com elevados índices de marginalidade. A população caracterizava-se, maioritariamente, por baixos níveis de escolaridade, instrução e qualificação profissional. O desempego e permanentes conflitos de vizinhança levaram a um isolamento territorial da população.

Realojamento

O bairro foi totalmente demolido em setembro de 1996, implicando o realojamento de 1 185 agregados familiares. Estas famílias foram realojadas nos Bairro da Flamenga (500), Casal dos Machados (437) e Bairro do Armador (221).