Cultura 

Centro Interpretativo do 25 de Abril fica em Lisboa

O protocolo de criação do Centro Interpretativo do 25 de Abril, entre o Estado português, a Câmara Municipal de Lisboa, a Associação de Turismo de Lisboa (ATL) e a Associação 25 de Abril, foi celebrado a 12 de janeiro. O Centro, localizado no Terreiro do Paço, deverá abrir em 2026, e pretende "amplificar a história da democracia portuguesa".

Assinatura do protocolo de criação do Centro Interpretativo do 25 de Abril


No ano em que se assinalam os 50 anos do 25 de Abril de 1974, Carlos Moedas, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, afirma que "o Terreiro do Paço vai expor a liberdade que os portugueses conquistaram no 25 de Abril, uma democracia moderna, livre de amarras ideológicas”.

O Centro Interpretativo pretende refletir e preservar a experiência democrática e, assinala Carlos Moedas, “vai ter uma importância enorme para a juventude, é o legado de Abril". Os jovens, afirmou, "estão de certa forma desligados deste passado", olhando para o 25 de Abril "como algo muito distante e é preciso repetir a história".

A gestão, a cargo da ATL, tem como responsabilidades promover as obras e ações necessárias e assegurar o funcionamento e a abertura ao público, e promover e divulgar o Centro Interpretativo na oferta turística e cultural da cidade de Lisboa.

A Associação 25 de Abril, em conjunto com a ATL, asseguram os planos anuais de programação do Centro Interpretativo, tendo em vista afirmá-lo em todo o território e a aproximação dos cidadãos ao espírito do movimento libertador do 25 de Abril, bem como no desenvolvimento de projetos educativos e pedagógicos a partir do seu acervo histórico.

O presidente da Associação 25 de Abril, coronel Vasco Lourenço, presente na cerimónia, afirma com convicção que este espaço “vai ser um dos locais mais visitados de Portugal”. A cerimónia contou com a presença do Primeiro-Ministro, António Costa e do Ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva.

No ano em que se assinalam os 50 anos do 25 de Abril de 1974, Carlos Moedas, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, afirma que "o Terreiro do Paço vai expor a liberdade que os portugueses conquistaram no 25 de Abril, uma democracia moderna, livre de amarras ideológicas”.

O Centro Interpretativo pretende refletir e preservar a experiência democrática e, assinala Carlos Moedas, “vai ter uma importância enorme para a juventude, é o legado de Abril". Os jovens, afirmou, "estão de certa forma desligados deste passado", olhando para o 25 de Abril "como algo muito distante e é preciso repetir a história".

A gestão, a cargo da ATL, tem como responsabilidades promover as obras e ações necessárias e assegurar o funcionamento e a abertura ao público, e promover e divulgar o Centro Interpretativo na oferta turística e cultural da cidade de Lisboa.

A Associação 25 de Abril, em conjunto com a ATL, asseguram os planos anuais de programação do Centro Interpretativo, tendo em vista afirmá-lo em todo o território e a aproximação dos cidadãos ao espírito do movimento libertador do 25 de Abril, bem como no desenvolvimento de projetos educativos e pedagógicos a partir do seu acervo histórico.

O presidente da Associação 25 de Abril, coronel Vasco Lourenço, presente na cerimónia, afirma com convicção que este espaço “vai ser um dos locais mais visitados de Portugal”. A cerimónia contou com a presença do Primeiro-Ministro, António Costa e do Ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva.

ler mais
ler menos