COVID-19 Medidas e Informações

detalhe

O dualismo está presente na nova exposição da Estufa Fria


I am burning with desire to see your experiments from nature”, escreveu em 1828 Daguerre a Niépce, referindo-se ao que, tempos depois, se tornaria o que hoje conhecemos como Fotografia.

E é com esta frase em mente que o Coletivo Imagerie constrói a exposição que tem como um dos palcos a Estufa Fria de Lisboa. Uma exposição onde a natureza assume o objeto principal e onde a desconstrução do dualismo ser humano/natureza, sujeito/objeto, orgânico/inorgânico e artificial/natural estão presentes.

Tendo como ponto de partida a Estufa Fria e o Jardim Botânico do Porto, espaços de descontinuidade espaciotemporal, relativamente ao meio envolvente, o projeto questiona aquilo que o pensamento contemporâneo chama de Natureza, bem como o seu lugar incerto na linguagem. O conceito de natureza é nos dias de hoje, muito provavelmente, bastante diferente do conceito a que Daguerre se referia, contudo, a frase proferida pelo artista tem a particularidade de colocar a fotografia como uma experimentação da natureza (experiments from nature), tratando-a como parte do processo e não como objetificação da realidade.

O projeto desenvolve-se numa lógica de site-specific nos dois espaços de apresentação, tendo as condições dos espaços escolhidos (biomas artificiais com condições especificas controladas) transformando-os em elementos performativos.

Desenvolvido por José Domingos, Magda Fernandes, Sofia Berberan e com a curadoria de Vanessa Badagliacca, este projeto experimenta várias técnicas e conceitos no que toca a imagem fotográfica, “determinados por pressupostos ético-estéticos”. Ao mesmo tempo que “por um lado questiona a construção cultural dos “modos de ver” – antropomórficos e antropomorfizantes – “, enquanto, por outro lado é, também, uma reflexão sobre a materialidade – “condenada à corrosão na sua relação com o meio” – onde a própria técnica ganha um destaque maior, ao ser uma experiência sensorial, em vez de um veículo meramente teórico.

Burning with desire to see your experiments from nature é um projeto apoiado pela República Portuguesa – Cultura | DGARTES – Direção-Geral das Artes, pela Câmara Municipal de Lisboa, pelo Jardim botânico do Porto e pelo 5D_CreativeHub, em parceria com a Estufa Fria de Lisboa e o Instituto de História da Arte (NOVA-FSCH).

I am burning with desire to see your experiments from nature”, escreveu em 1828 Daguerre a Niépce, referindo-se ao que, tempos depois, se tornaria o que hoje conhecemos como Fotografia.

E é com esta frase em mente que o Coletivo Imagerie constrói a exposição que tem como um dos palcos a Estufa Fria de Lisboa. Uma exposição onde a natureza assume o objeto principal e onde a desconstrução do dualismo ser humano/natureza, sujeito/objeto, orgânico/inorgânico e artificial/natural estão presentes.

Tendo como ponto de partida a Estufa Fria e o Jardim Botânico do Porto, espaços de descontinuidade espaciotemporal, relativamente ao meio envolvente, o projeto questiona aquilo que o pensamento contemporâneo chama de Natureza, bem como o seu lugar incerto na linguagem. O conceito de natureza é nos dias de hoje, muito provavelmente, bastante diferente do conceito a que Daguerre se referia, contudo, a frase proferida pelo artista tem a particularidade de colocar a fotografia como uma experimentação da natureza (experiments from nature), tratando-a como parte do processo e não como objetificação da realidade.

O projeto desenvolve-se numa lógica de site-specific nos dois espaços de apresentação, tendo as condições dos espaços escolhidos (biomas artificiais com condições especificas controladas) transformando-os em elementos performativos.

Desenvolvido por José Domingos, Magda Fernandes, Sofia Berberan e com a curadoria de Vanessa Badagliacca, este projeto experimenta várias técnicas e conceitos no que toca a imagem fotográfica, “determinados por pressupostos ético-estéticos”. Ao mesmo tempo que “por um lado questiona a construção cultural dos “modos de ver” – antropomórficos e antropomorfizantes – “, enquanto, por outro lado é, também, uma reflexão sobre a materialidade – “condenada à corrosão na sua relação com o meio” – onde a própria técnica ganha um destaque maior, ao ser uma experiência sensorial, em vez de um veículo meramente teórico.

Burning with desire to see your experiments from nature é um projeto apoiado pela República Portuguesa – Cultura | DGARTES – Direção-Geral das Artes, pela Câmara Municipal de Lisboa, pelo Jardim botânico do Porto e pelo 5D_CreativeHub, em parceria com a Estufa Fria de Lisboa e o Instituto de História da Arte (NOVA-FSCH).

ler mais
ler menos