detalhe

Cultura 

Três anos depois, Nossa Senhora da Saúde voltou às ruas de Lisboa

A Procissão de Nossa Senhora da Saúde percorreu, no dia 7 de maio, diversas artérias da Mouraria e da Baixa, numa grande manifestação de fé e de amor à cidade.

Procissão de Nossa Senhora da Saúde

Três anos depois, Nossa Senhora da Saúde voltou a sair à rua.

A procissão mais antiga de Lisboa (remonta a 1569) foi acompanhada por milhares de pessoas, num percurso de cerca de 1600 metros desde a Praça do Martim Moniz, Mouraria, Avenida Almirante Reis, passando novamente pelo Martim Moniz, Praça da Figueira e de regresso à Capela de Nossa Senhora da Saúde e contou com a presença do Presidente da Câmara, Carlos Moedas.

Também conhecida como “Procissão dos Artilheiros“, teve início no reinado de D. Sebastião, altura em que foi declarada uma das mais catastróficas epidemias registadas, a Grande Peste, que dizimou cerca de 60 mil habitantes de Lisboa.

Em cumprimento de uma promessa de que erigiriam uma capela se fossem poupados à morte, os artilheiros, aquartelados no Castelo de S. Jorge, assim fizeram e a capela foi construída.

Três anos depois, Nossa Senhora da Saúde voltou a sair à rua.

A procissão mais antiga de Lisboa (remonta a 1569) foi acompanhada por milhares de pessoas, num percurso de cerca de 1600 metros desde a Praça do Martim Moniz, Mouraria, Avenida Almirante Reis, passando novamente pelo Martim Moniz, Praça da Figueira e de regresso à Capela de Nossa Senhora da Saúde e contou com a presença do Presidente da Câmara, Carlos Moedas.

Também conhecida como “Procissão dos Artilheiros“, teve início no reinado de D. Sebastião, altura em que foi declarada uma das mais catastróficas epidemias registadas, a Grande Peste, que dizimou cerca de 60 mil habitantes de Lisboa.

Em cumprimento de uma promessa de que erigiriam uma capela se fossem poupados à morte, os artilheiros, aquartelados no Castelo de S. Jorge, assim fizeram e a capela foi construída.

ler mais
ler menos