detalhe

Ambiente 

Sindicatos da Higiene Urbana recebidos na Câmara Municipal

No final da reunião com os sindicatos, a 27 de julho, Carlos Moedas, registou “o empenhamento total” das organizações representativas dos trabalhadores de uma atividade que “é uma prioridade da cidade”.

Carlos Moedas, presidente da CML, no final da reunião com os sindicatos dos trabalhadores da Higiene Urbana

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas manifestou-se hoje “empenhado em resolver a situação” da limpeza em Lisboa. O autarca falava à imprensa no final de um encontro com o Sindicato dos Trabalhadores do Município de Lisboa, o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local, e o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública.

“Estamos a contratar 190 pessoas” para a higiene urbana: 160 cantoneiros e 30 motoristas. No último mês, entraram já mais de 60 pessoas, adiantou. “Esta é uma prioridade”, numa cidade, onde são produzidas diariamente cerca de 1 000 toneladas de resíduos.

A Câmara está a tentar resolver a situação, mas precisamos “do empenhamento de todos”, “das freguesias, que são importantíssimas”, responsáveis pela limpeza e lavagem das ruas. Pagámos, lembrou, “quase 18 milhões de euros às freguesias para que isso seja feito”.

Na sequência de negociações que decorriam “há muito tempo”, sobre o pagamento do subsídio de insalubridade aos trabalhadores da higiene urbana, a Câmara pagou recentemente 1 milhão de euros, desbloqueando o pagamento de um subsídio com retroativos, lembrou o autarca.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas manifestou-se hoje “empenhado em resolver a situação” da limpeza em Lisboa. O autarca falava à imprensa no final de um encontro com o Sindicato dos Trabalhadores do Município de Lisboa, o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local, e o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública.

“Estamos a contratar 190 pessoas” para a higiene urbana: 160 cantoneiros e 30 motoristas. No último mês, entraram já mais de 60 pessoas, adiantou. “Esta é uma prioridade”, numa cidade, onde são produzidas diariamente cerca de 1 000 toneladas de resíduos.

A Câmara está a tentar resolver a situação, mas precisamos “do empenhamento de todos”, “das freguesias, que são importantíssimas”, responsáveis pela limpeza e lavagem das ruas. Pagámos, lembrou, “quase 18 milhões de euros às freguesias para que isso seja feito”.

Na sequência de negociações que decorriam “há muito tempo”, sobre o pagamento do subsídio de insalubridade aos trabalhadores da higiene urbana, a Câmara pagou recentemente 1 milhão de euros, desbloqueando o pagamento de um subsídio com retroativos, lembrou o autarca.

ler mais
ler menos