COVID-19 Medidas e Informações

Cultura

Economia

 

Segunda fase do Lisboa Protege já pagou 1 milhão de euros

Dez dias depois da abertura das inscrições para a segunda fase do programa Lisboa Protege, a Câmara Municipal de Lisboa já entregou mais de um milhão de euros às primeiras empresas, inscritas a 1 de março.

Segunda fase do Lisboa Protege já pagou 1 milhão de euros

Os primeiros pagamentos foram efetuados dia 8 de março, uma semana depois da entrada dos pedidos de apoio das empresas.

A segunda fase do Lisboa Protege, com uma dotação de 20 milhões de euros, abrange novas atividades económicas, como a pequena indústria e indústrias criativas, ou ginásios, e atividades com faturação entre 500 mil e 1 milhão de euros.

Os apoios para as empresas neste escalão são de 10 mil euros a fundo perdido.

Os novos apoios abrangem também empresários em nome individual, com contabilidade simplificada, e volume de negócios até 200 mil euros, aqui com um apoio a fundo perdido no valor de 2 000 euros.

Segunda fase regista já 1038 candidaturas

Até ao momento, candidataram-se 1038 empresas, das quais 258 já receberam o apoio da autarquia.

Os setores com maior representatividade são a restauração, totalizando 37% das candidaturas, comércio a retalho com 19%, atividades desportivas 10%, e as indústrias criativas com 8% do total de inscrições.

No que toca à quebra de faturação, 46% das empresas candidatas nesta segunda fase tiveram uma quebra de negócios entre 25 a 50%, as que registaram uma queda entre 50% e 75% representam 34% das candidaturas, e 20% das empresas indica mesmo que teve quebras de negócio superiores a 75%.

Santa Maria Maior, Arroios, Avenidas Novas e Misericórdia são as quatro freguesias da cidade com maior número de pedidos de apoio.

As inscrições para os apoios do Lisboa Protege, cuja primeira fase distribuiu mais de 16 milhões de euros a fundo perdido ao comércio, restauração, e agentes culturais de Lisboa, continuam abertas até 31 de março.

Os primeiros pagamentos foram efetuados dia 8 de março, uma semana depois da entrada dos pedidos de apoio das empresas.

A segunda fase do Lisboa Protege, com uma dotação de 20 milhões de euros, abrange novas atividades económicas, como a pequena indústria e indústrias criativas, ou ginásios, e atividades com faturação entre 500 mil e 1 milhão de euros.

Os apoios para as empresas neste escalão são de 10 mil euros a fundo perdido.

Os novos apoios abrangem também empresários em nome individual, com contabilidade simplificada, e volume de negócios até 200 mil euros, aqui com um apoio a fundo perdido no valor de 2 000 euros.

Segunda fase regista já 1038 candidaturas

Até ao momento, candidataram-se 1038 empresas, das quais 258 já receberam o apoio da autarquia.

Os setores com maior representatividade são a restauração, totalizando 37% das candidaturas, comércio a retalho com 19%, atividades desportivas 10%, e as indústrias criativas com 8% do total de inscrições.

No que toca à quebra de faturação, 46% das empresas candidatas nesta segunda fase tiveram uma quebra de negócios entre 25 a 50%, as que registaram uma queda entre 50% e 75% representam 34% das candidaturas, e 20% das empresas indica mesmo que teve quebras de negócio superiores a 75%.

Santa Maria Maior, Arroios, Avenidas Novas e Misericórdia são as quatro freguesias da cidade com maior número de pedidos de apoio.

As inscrições para os apoios do Lisboa Protege, cuja primeira fase distribuiu mais de 16 milhões de euros a fundo perdido ao comércio, restauração, e agentes culturais de Lisboa, continuam abertas até 31 de março.

ler mais
ler menos