COVID-19 Medidas e Informações

detalhe

AmbienteCultura 

Palácio da Independência vai ser reabilitado

Avançam as obras de reabilitação do Palácio da Independência, com apoio financeiro da Câmara Municipal de Lisboa (CML). Intervenção fica a cargo da Sociedade Histórica da Independência de Portugal (SHIP), e tem parecer favorável da Direção-Geral do Património Cultural.

O Palácio da Independência, fundado em 1467, está classificado como Monumento Nacional

O Palácio dos Condes de Almada, fundado em 1467, e classificado como Monumento Nacional, vai ser sujeito a "obras de reabilitação profunda, tanto no interior como no exterior", que incluem a recuperação do Palácio, Jardim, Chaminés e Muralha Fernandina.

Após a conclusão das obras, a SHIP “compromete-se a abrir gratuita e diariamente o Jardim ao público”. O protocolo entre as duas entidades foi assinado hoje, 24 de maio.

José Ribeiro e Castro, presidente da instituição, afirmou que esta é “uma obra de interesse público, de um monumento nacional que é a nossa casa, mas que queremos abrir ao público. O núcleo museológico será focado na Restauração da Independência, mas salpicado por outros momentos da história nacional”.

A obra, “vai permitir transmitir às atuais e futuras gerações o que é sermos Portugal”, afirmou Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa.

O Palácio dos Condes de Almada, fundado em 1467, e classificado como Monumento Nacional, vai ser sujeito a "obras de reabilitação profunda, tanto no interior como no exterior", que incluem a recuperação do Palácio, Jardim, Chaminés e Muralha Fernandina.

Após a conclusão das obras, a SHIP “compromete-se a abrir gratuita e diariamente o Jardim ao público”. O protocolo entre as duas entidades foi assinado hoje, 24 de maio.

José Ribeiro e Castro, presidente da instituição, afirmou que esta é “uma obra de interesse público, de um monumento nacional que é a nossa casa, mas que queremos abrir ao público. O núcleo museológico será focado na Restauração da Independência, mas salpicado por outros momentos da história nacional”.

A obra, “vai permitir transmitir às atuais e futuras gerações o que é sermos Portugal”, afirmou Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa.

ler mais
ler menos