COVID-19 Medidas e Informações

detalhe

CulturaVisitar 

Memorial de homenagem às vítimas da escravatura

Uma ‘plantação’ com 540 pés de cana-de-açúcar em alumínio preto vai nascer junto ao Campo das Cebolas, em Lisboa. A instalação "Plantação-Prosperidade e Pesadelo", do artista angolano Kiluanji Kia Henda, foi a proposta mais votada para o Memorial de Homenagem às Pessoas Escravizadas.

Memorial de homenagem às vítimas da escravatura no Campo das Cebolas

A proposta, integrada na edição 2017/18 do Orçamento Partcipativo, foi apresentada pela Djass-Associação de Afrodescendentes. A edificação do memorial pretendeu homenagear as vítimas da escravatura e, por outro lado, celebrar a sua abolição e o fim do tráfico de pessoas escravizadas.

O projeto é uma representação de uma plantação de cana-de-açúcar em alumínio preto. A instalação convida à caminhada e à reflexão por entre os pés de cana.

Na zona mais larga da ‘plantação’ propõe-se um assento em betão de formato semi-circular, criando um ponto de encontro simultaneamente público e intimista. Espera-se que este seja um ponto de sociabilidade para as mais variadas manifestações culturais, da música aos pequenos espetáculos de rua, dos diálogos académicos às leituras teatrais.

 

A proposta, integrada na edição 2017/18 do Orçamento Partcipativo, foi apresentada pela Djass-Associação de Afrodescendentes. A edificação do memorial pretendeu homenagear as vítimas da escravatura e, por outro lado, celebrar a sua abolição e o fim do tráfico de pessoas escravizadas.

O projeto é uma representação de uma plantação de cana-de-açúcar em alumínio preto. A instalação convida à caminhada e à reflexão por entre os pés de cana.

Na zona mais larga da ‘plantação’ propõe-se um assento em betão de formato semi-circular, criando um ponto de encontro simultaneamente público e intimista. Espera-se que este seja um ponto de sociabilidade para as mais variadas manifestações culturais, da música aos pequenos espetáculos de rua, dos diálogos académicos às leituras teatrais.

 

ler mais
ler menos