detalhe

 

Lisboa acolheu Assembleia Geral da UCCLA

A XXXVIII Assembleia Geral da União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa - UCCLA, realizou-se no Pátio da Galé, em Lisboa, a 27 de outubro. O presidente da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, é o novo presidente da Comissão Executiva e definiu como prioridades a transição energética, o combate à pobreza e a defesa da mobilidade no mundo lusófono

XXXVIII Assembleia Geral da União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa - Pátio da Galé, Lisboa

Durante o encontro – com a presença de membros de cidades e empresas de países de língua oficial portuguesa associadas: Angola Brasil Cabo Verde Espanha Guiné-Bissau Macau Moçambique Portugal Timor-Leste e São Tomé e Príncipe – foram eleitos os órgãos Sociais para o período 2022-24.

Carlos Moedas, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, foi eleito presidente da Comissão Executiva. Cabe a Maputo, Moçambique, a presidência da mesa da Assembleia Geral.

“Foi em Lisboa que germinou a ideia de uma União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa”, afirmou Carlos Moedas, na abertura da reunião. “Pelo poder da imaginação e a capacidade de iniciativa de um antigo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Nuno Kruz Abecassis.

“Um grande amigo dos povos de língua portuguesa, impulsionador do potencial de lusofonia, um verdadeiro humanista que olhava para os laços linguísticos e culturais como reflexo de um sentimento de fraternidade.”

Foi também, salientou Carlos Moedas, “através da vontade desta cidade que os primeiros anos da UCCLA foram decisivos para estreitar os laços profundos que nos unem. Laços materializados em ações muito concretas, de interajuda entre os membros da organização que simbolizaram espírito de solidariedade que guia, desde o início, as nossas relações no quadro desta união.”

“Nos nossos tempos, de grande incerteza e instabilidade, os laços de cooperação e de amizade são imprescindíveis. Vão ser tempos em que as cidades vão ganhar um novo papel de relevância, em que vão ser atores fundamentais da mudança que o mundo atravessa, seja na transição energética, na digitalização, no combate à pobreza e no acesso à saúde e a habitação.”

Por tudo isto, concluiu, a UCCLA é hoje mais importante do que nunca.

No dia 26, os presidentes das Câmaras Municipais e representantes das capitais dos países que integram a UCCLA, foram recebidos no Palácio de Belém, pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Durante o encontro – com a presença de membros de cidades e empresas de países de língua oficial portuguesa associadas: Angola Brasil Cabo Verde Espanha Guiné-Bissau Macau Moçambique Portugal Timor-Leste e São Tomé e Príncipe – foram eleitos os órgãos Sociais para o período 2022-24.

Carlos Moedas, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, foi eleito presidente da Comissão Executiva. Cabe a Maputo, Moçambique, a presidência da mesa da Assembleia Geral.

“Foi em Lisboa que germinou a ideia de uma União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa”, afirmou Carlos Moedas, na abertura da reunião. “Pelo poder da imaginação e a capacidade de iniciativa de um antigo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Nuno Kruz Abecassis.

“Um grande amigo dos povos de língua portuguesa, impulsionador do potencial de lusofonia, um verdadeiro humanista que olhava para os laços linguísticos e culturais como reflexo de um sentimento de fraternidade.”

Foi também, salientou Carlos Moedas, “através da vontade desta cidade que os primeiros anos da UCCLA foram decisivos para estreitar os laços profundos que nos unem. Laços materializados em ações muito concretas, de interajuda entre os membros da organização que simbolizaram espírito de solidariedade que guia, desde o início, as nossas relações no quadro desta união.”

“Nos nossos tempos, de grande incerteza e instabilidade, os laços de cooperação e de amizade são imprescindíveis. Vão ser tempos em que as cidades vão ganhar um novo papel de relevância, em que vão ser atores fundamentais da mudança que o mundo atravessa, seja na transição energética, na digitalização, no combate à pobreza e no acesso à saúde e a habitação.”

Por tudo isto, concluiu, a UCCLA é hoje mais importante do que nunca.

No dia 26, os presidentes das Câmaras Municipais e representantes das capitais dos países que integram a UCCLA, foram recebidos no Palácio de Belém, pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

ler mais
ler menos