detalhe

Direitos Sociais 

Espaço Júlia acolhe em Lisboa vítimas de violência doméstica

O projeto social apoia vítimas de violência doméstica em risco elevado, e funciona 24 horas por dia, durante todo o ano, na Alameda de Santo António dos Capuchos, num espaço cedido pela Câmara Municipal de Lisboa

A casa de acolhimento temporário funciona 365 dias por ano, 24 horas por dia, tem um espaço dedicado às crianças

O Espaço Júlia - RIAV (Resposta Integrada de Apoio à Vítima) oferece um atendimento especializado por parte da Junta de Freguesia de Santo António, em articulação com a Polícia de Segurança Pública, com a cooperação do Centro Hospitalar de Lisboa Central.

Na entrega das chaves do espaço de acolhimento temporário, Carlos Moedas considerou este um “projeto-piloto que poderá ser estendido para toda a cidade”, de forma a “defender aqueles que precisam de ser defendidos e proteger os que estão a sofrer”.

O nome deste equipamento social pretende homenagear Júlia, uma idosa que vivia na Alameda de Santo António dos Capuchos, assassinada em 2011 pelo marido, com quem estava casada há mais de 30 anos.

O Espaço Júlia - RIAV (Resposta Integrada de Apoio à Vítima) oferece um atendimento especializado por parte da Junta de Freguesia de Santo António, em articulação com a Polícia de Segurança Pública, com a cooperação do Centro Hospitalar de Lisboa Central.

Na entrega das chaves do espaço de acolhimento temporário, Carlos Moedas considerou este um “projeto-piloto que poderá ser estendido para toda a cidade”, de forma a “defender aqueles que precisam de ser defendidos e proteger os que estão a sofrer”.

O nome deste equipamento social pretende homenagear Júlia, uma idosa que vivia na Alameda de Santo António dos Capuchos, assassinada em 2011 pelo marido, com quem estava casada há mais de 30 anos.

ler mais
ler menos