detalhe

CulturaDireitos Sociais 

"Diário de um Sem-Abrigo", de Jorge Costa, apresentado em Lisboa

O livro – um relato na primeira pessoa da vida nas ruas de Lisboa – foi lançado a 7 de julho, no Centro de Alojamento de Emergência Municipal de Santa Bárbara. Jorge Costa, cronista, de 55 anos, morreu a 20 de abril de 2022.

Lançamento do livro "Diário de um Sem-Abrigo", de Jorge Costa - Centro de Alojamento de Emergência Municipal de Santa Bárbara

“Dedicou os últimos meses da sua vida a escrever sobre a sua cidade, onde sempre viveu, mas vista por outros olhos”. Assim começa o voto de pesar pela sua morte, aprovado por unanimidade na reunião extraordinária de 22 de abril, da Câmara Municipal de Lisboa. “Morreu um homem que um dia escreveu o que sentiu, porque experienciou a realidade de estar em situação de sem-abrigo.”

Quase 3 meses depois da sua morte, o livro que "dá a conhecer muito mais que o Jorge" foi lançado num espaço que acolhe pessoas como ele. Na cerimónia do lançamento, a vereadora dos Direitos Humanos e Sociais, Laurinda Alves, sublinhou a importância de um livro que “serve para um olhar mais completo do que é viver na rua.”

Uma ideia partilhada por Diogo Moura, vereador da Cultura, que destacou o papel dos livros "enquanto transformadores da vida das pessoas e este cumpre o seu papel.”

Com prefácios de Marcelo Rebelo de Sousa e Nuno Markl, o Diário de um Sem-Abrigo relata os dias e noites de Jorge Costa a viver nas ruas de Lisboa. Com as receitas da venda do livro, a Mensagem de Lisboa irá criar uma bolsa para jornalismo sobre sem-abrigo.

Na reunião extraordinária de 22 de abril, a Câmara Municipal de Lisboa aprovou por unanimidade um voto de pesar pela morte de Jorge Costa.

“Dedicou os últimos meses da sua vida a escrever sobre a sua cidade, onde sempre viveu, mas vista por outros olhos”. Assim começa o voto de pesar pela sua morte, aprovado por unanimidade na reunião extraordinária de 22 de abril, da Câmara Municipal de Lisboa. “Morreu um homem que um dia escreveu o que sentiu, porque experienciou a realidade de estar em situação de sem-abrigo.”

Quase 3 meses depois da sua morte, o livro que "dá a conhecer muito mais que o Jorge" foi lançado num espaço que acolhe pessoas como ele. Na cerimónia do lançamento, a vereadora dos Direitos Humanos e Sociais, Laurinda Alves, sublinhou a importância de um livro que “serve para um olhar mais completo do que é viver na rua.”

Uma ideia partilhada por Diogo Moura, vereador da Cultura, que destacou o papel dos livros "enquanto transformadores da vida das pessoas e este cumpre o seu papel.”

Com prefácios de Marcelo Rebelo de Sousa e Nuno Markl, o Diário de um Sem-Abrigo relata os dias e noites de Jorge Costa a viver nas ruas de Lisboa. Com as receitas da venda do livro, a Mensagem de Lisboa irá criar uma bolsa para jornalismo sobre sem-abrigo.

Na reunião extraordinária de 22 de abril, a Câmara Municipal de Lisboa aprovou por unanimidade um voto de pesar pela morte de Jorge Costa.

ler mais
ler menos